Alguns tipos de HPV aumentam o risco para câncer genital, principalmente em mulheres. É importante lembrar que o exame preventivo pode detectar as lesões que antecedem o câncer, de fácil tratamento.

Após o diagnóstico da infecção pelo HPV, a maioria terá regressão espontânea. Algumas mulheres, porém, apresentarão persistência de doença ou progressão, podendo desenvolver uma lesão pré cancerosa (chamadas de displasias moderada / acentuada /carcinoma in situ; neoplasias intra-epiteliais graus II ou III – NIC II/III; lesões intraepiteliais de alto grau - HSIL/SIL2). Isto pode levar anos e depende também de outros fatores, dentre os quais o mais importante é a imunidade. Em portadores do vírus da AIDS ou em uso de medicamentos imunossupressores esta progressão será mais provável e poderá ser mais rápida.

Apesar de nossa impotência em eliminar o vírus, temos métodos efetivos para diagnosticar a tempo as lesões pré cancerosas e tratá-las, evitando o desenvolvimento do câncer. Assim, a mulher portadora do HPV deve ter em mente que, qualquer que seja sua forma de infecção e tratamento adotado, deve manter a prevenção adequada. Isto pode ser feito através da realização do exame preventivo a cada três anos após dois exames negativos com intervalo de um ano, entre 25 e 64 anos.

Deve ficar claro que o fato de ser portador(a) do HPV não significa que, certamente, haverá desenvolvimento de câncer no futuro. Ao contrário, a maioria nunca terá algum grau de doença. Uma analogia que costumamos fazer é com o câncer de pulmão: a maioria dos cânceres de pulmão está relacionada ao fumo, mas a maioria dos fumantes não terá um câncer de pulmão.